Cornucópia Pimentas

jun 11, 13 Cornucópia Pimentas

Priscila Ávila, produtora de pimentas orgânicas no Lago Oeste. Trabalha com pimentas selecionadas, das mais ardidas do mundo. As pimentas são plantadas com adubo das cabras leiteiras da propriedade,  e colhidas à mão, uma a uma. Posteriormente, elas são sanitizadas. As melhores são selecionadas e vão para tonéis de 20 litros, onde descansam por, no mínimo, seis meses. Só depois desse período de maturação elas são retiradas para confecção dos molhos, além das geleias, chipotles, chilli, licor, chocolate com pimenta e diversos outros. Também são produzidos molhos e geleias personalizados.

Contato
9999-2851 Priscila
4103-5561 Paulo

leia mais

Produtos Orgânicos da Rosângela

jun 03, 11 Produtos Orgânicos da Rosângela

Rosângela Piovizani, membro do Movimento de Mulheres Camponesas e integrante do Slow Food Cerrado, produz hortaliças orgânicas e aves criadas soltas, com alimentação também orgânica.

Sua produção é em pequena escala e no momento ela tem disponível para a venda:

  • 15 patos (fêmeas) – R$ 30,00 cada, limpo.
  • 50 frangos “caipirão” – R$ 25,00 cada, limpo.
  • Cenoura e alface de montão.

Se a encomenda for numa quantidade razoável ela entrega no Plano Piloto; se forem apenas 2 ou 3 unidades, é preciso buscar na chácara.

Melhor ligar antes para que ela faça o abate e limpeza das aves; melhor ainda se for em final de semana.

Contatos

Rosângela Piovizani

Endereço: Núcleo Rural Samambaia – Chácara nº 2 (próxima à Quadra 427 da Samambaia Norte)

Fone: (61) 9648-2195

E-mail: rosangelapiovizani@hotmail.com

leia mais

Grupo Vida e Preservação

abr 18, 11 Grupo Vida e Preservação

O Grupo Vida e Preservação (GVP) surgiu a partir do projeto “Educando para a Sustentabilidade”, desenvolvido desde 2002 pelo Grupo de Trabalho sobre Reforma Agrária (GTRA), da Universidade de Brasília (UnB), junto às famílias de agricultores do Assentamento Colônia I, localizado no entorno do Distrito Federal. O projeto tinha como proposta a organização social, geração de renda e preservação ambiental por meio de cultivo de alimentos orgânicos (em especial hortaliças), comercialização de produtos e implantação de viveiro florestal

Atualmente o GVP é uma referência em produção orgânica de hortaliças e conta com alguns pontos de venda, gerenciados pelos próprios produtores, que funcionam Brasília nos seguintes locais e horários:

  • Terças-Feiras, de 07h00 às 14h00:

505 Norte

UNB (ICC Norte)

  • Quintas-Feiras de 07:00 `as 15:00

INCRA –  Palácio do Desenvolvimento – Setor Bancário Norte

MMA – Esplanada dos Ministérios, Bloco B

No momento o GVP abrange 8 famílias que estão em fase final de implantação de estufas e kits de irrigação para manterem a produção tanto na época seca como durante as chuvas. Desde 2005, o GVP participa da Central do Cerrado, comercializando também em seus pontos de venda os produtos de outros grupos comunitários associados à Central do Cerrado.

Representantes do GVP participaram do Terra Madre Brasil 2007 e Terra Madre 2008 e desde então tem o Grupo tem participado e integrado diversas atividades realizadas pelo Slow Food Cerrado, do qual é parceiro.

leia mais

Chácara Colina – Agricultura Orgânica

A Chácara Colina é uma unidade de produção de agricultura orgânica desde 1986, e uma das fundadoras da primeira Associação de Agricultura Orgânica de Brasília – AGE.

Localizada em Brazlândia (DF), a chácara segue as normas de uma propriedade orgânica, que vai além da produção de alimentos sem agrotóxicos: preservação das áreas de preservação permanente, separação de lixo com aproveitamento para compostagem, reflorestamento, boas condições de trabalho aos funcionários, agricultura familiar, rotação de culturas, etc.

A Chácara Colina entrega cestas dos produtos em domicílio. Solicite informações pelos telefones: (61) 8230-8545 e 9971-0507 (celulares TIM), ou por e-mail: chacaracolina@gmail.com

leia mais

Central do Cerrado

set 14, 10 Central do Cerrado

A Central do Cerrado é uma iniciativa estabelecida com 35 organizações comunitárias que desenvolvem atividades produtivas a partir do uso sustentável da biodiversidade do Cerrado.

Funciona como uma ponte entre produtores comunitários e consumidores, oferecendo produtos de qualidade como: pequi, baru, farinha de jatobá, derivados do babaçu, buriti, cagaita, mel, polpas de frutas, artesanatos, dentre outros, que são coletados e processados por agricultores familiares e comunidades tradicionais no Cerrado.

leia mais